do Gr. photós + páthos

Posted in filosofia by Paulo S. on 04/06/2013

Nada ilustra melhor aquilo de que estamos a falar do que a fatal sintonia de ambos os campos relativamente a uma questão fundamental do nosso tempo: a do trabalho e do desemprego. Uns são acusados de destruir empregos e os outros reclamam que se reconstrua a sociedade do trabalho. Neste jogo dialéctico que tem o seu termo de superação numa miragem, alguém que não se deixe levar pelo pensamento mágico, ou demagógico, ou irracional consegue acreditar que podemos regressar novamente a uma sociedade do pleno emprego? Pensar a questão não é pensar contra ou a favor de políticas de emprego, de despedimentos ou de manutenção de postos de trabalho, porque assim nunca sairemos do lugar onde estamos. Tudo tem de começar por aquilo que a nossa cultura e a nossa sociedade parecem incapazes de pensar. É neste sentido que adquire especial importância um conceito como o de inoperosità, sobre o qual tem trabalhado o filósofo italiano Giorgio Agamben. Inoperosità deve ser traduzido à letra, como inoperosidade (mesmo que soe um pouco estranho), já que Agamben designa com esse termo uma actividade: não se trata de inacção, mas da operação que consiste em tornar inoperantes as obras do homem. O modelo da inoperosidade é o da obra de arte. O que é um poema senão uma operação linguística que consiste em desactivar as funções comunicaticas e informacionais da língua para a abrir a um outro uso? Ora, mostra Agamben nas suas investigações sobre a genealogia teológica da máquina governamental e da economia, uma questão que os teólogos colocavam de maneira recorrente era esta: o que acontece aos anjos, que são os funcionários do governo divino do mundo, depois do Juízo Final, quando a história da salvação estiver acabada de uma vez por todas? Resposta dos teólogos: os anjos serão destituídos das suas funções, não terão literalmente mais nada para fazer. Desemprego e inoperosidade serão o estado normal no Paraíso. Mesmo Cristo, no Paraíso, não terá mais nada para fazer, é um desempregado.

António Guerreiro, “estação meteorológica” em ípsilon (17.05.2013)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: