do Gr. photós + páthos

Posted in Uncategorized by Paulo S. on 15/10/2017

O desprendimento, o alheamento do sujeito da vida real retiram ao espírito o movimento da vida. Separado, o sujeito não se alimenta já da vida exterior das coisas, não as podendo pensar, sentir, querer através das suas imagens. Estas representam agora um mundo oco e vazio. O sujeito cindiu-se, ele vê-se querer e não quer, sentir e não sente […]

GIL, José, Cansaço, Tédio, Desassossego, Lisboa, Relógio D’ Água Editores, 2013, p. 109.

Anúncios

Posted in filosofia, livros emprestados by Paulo S. on 04/10/2017

A partir do momento em que nas obras de fancaria, os saldos assumem essencialmente, o sentido de mercadoria “incapaz”, sem valor prático e que a incapacidade e a ausência de valor prático formam igualmente a base de emprego da palavra “estúpido”, quase não é exagero afirmar que estamos inclinados a qualificar tudo o que não nos convém — sobretudo quando pretendemos, além disso, considerá-lo altamente “cultural” — de “mais ou menos estúpido”. E para definir este “mais ou menos”, é significativo que o uso do termo de estupidez seja inseparável de um outro, que engloba as expressões não menos imperfeitas do vulgar e do moralmente chocante; o que faz incidir por uma segunda vez a nossa atenção sobre o destino comum das noções de “estupidez” e de “inconveniência”. Entre os juízos críticos sobre a arte ou sobre a vida completamente brutos e não refinados, encontra-se, com efeito, não apenas a palavra kitsch, fórmula estética de origem intelectual, mas exclamações de tipo moral tais como “indecência!”, “asqueroso!”, “ignóbil!”, “mórbido!”, “escandaloso!”. Pode acontecer ainda que estas exclamações impliquem, mesmo que utilizadas indistintamente, um esforço intelectual e alguns matizes de significado; assim acabamos por lhes substituir, em última análise, a exclamação já quase inarticulada: “é de uma vulgaridade!” que pode substituir todas as outras e partilhar o império do mundo com a sua correspondente: “é uma estupidez!”. Se estas duas fórmulas podem, caso necessário, substituir todas as outras, é evidentemente porque “estúpido” assumiu uma acepção de incapaz em geral, e “vulgar”, a de inconveniente, em geral. Espreitemos os juízos dos seres humanos uns sobre os outros, actualmente: ver-se-á que o auto-retrato da humanidade tal como se constitui clandestinamente a partir de fotografias de grupos recíprocos, é exclusivamente feito de variações sobre estes dois termos desagradáveis.

MUSIL, Robert, Über die Dummheit (1937), Da Estupidez, trad. Manuel Alberto, Lisboa, Relógio D’ Água Editores, 1994, pp. 22-23.

As sementes do futuro na luta contra o petróleo em Portugal (p. 12)

Posted in Le Monde diplomatique by Paulo S. on 29/09/2017

Existem quinze concessões para exploração de hidrocarbonetos — gás e petróleo — no território continental de Portugal. As concessões estão espalhadas por todo o país abaixo da Figueira da Foz, correndo todo o litoral, em terra e no mar. Este processo de concessão iniciou-se em 2007 quando Manuel Pinho, então ministro da Economia, entregou quatro concessões no mar de Peniche (Amêijoa, Camarão, Mexilhão e Ostra); e três concessões no mar do Alentejo (Gamba, Lavagante e Santola). Um processo que se destaca pelo rocambolesco dos seus componentes começava: os nomes das espécies ameaçadas pela exploração de petróleo e gás eram exactamente os nomes das concessões.

João Camargo em Le Monde diplomatique – edição portuguesa (nº 118 | II série | Agosto de 2016)

José Paulo Paes, Anatomias (1967)

Posted in filosofia by Paulo S. on 26/09/2017

Posted in filosofia, fotografia by Paulo S. on 13/09/2017

A fotografia é aqui uma tecnologia de identificação e de evidenciação. É uma encenação da verdade do sujeito da acção criminosa. Através de um corpo exposto, numa tipologização da identidade patológica do sujeito (na possibilidade de isso ser captado numa objectividade pura), pretende-se reforçar o carácter persuasivo do parecer. […] A fotografia serve aqui como reforço persuasivo (não tanto por aquilo que revela, mas por aquilo que diz revelar).

QUINTAIS, Luís, Franz Piechowski ou a analítica do arquivo — ensaio sobre o visível e o invisível na psiquiatria forense, Lisboa, Edições Cotovia, 2006, p. 100.

Posted in filosofia by Paulo S. on 06/09/2017

A introspecção, que se nos afigura tão arrojada e tão livre, também nos chega a sufocar. É exame, puro exame… Adultera, enfraquece o gosto da notação. Sobrepõe-se ao sentimento e ao facto, basta-os, diminui-os, exclui-os até, explicando-os.

Como valerá a pena escrever e pensar? De que modo dispormos o espírito?

Pensar… de qualquer modo se pensa, inadvertidamente até, mas escrever é utilizar certa e exclusiva forma de pensar. Há sempre muitíssima técnica e estratégia no escrever.

LISBOA, Irene, Solidão (1939), 4ª edição, Lisboa, Editorial Presença, 1992, p. 85.

Informação sob controlo (p. 16)

Posted in Le Monde diplomatique by Paulo S. on 30/08/2017

Será que podemos reduzir o jornalismo às suas chefias, elas próprias estabelecidas e mantidas pelos accionistas, quando a profissão tem oficialmente perto de 36 mil praticantes? A seguir à Segunda Guerra Mundial, os jornalistas tinham poderes alargados nos principais títulos da imprensa. Organizados em sociedades de redactores, eles dizem-se «doravante decididos a pôr em causa as estruturas que já não garantem ao público informação simultaneamente segura e completa». A sua determinação em não voltar a ver «prevalecer na imprensa os interesses privados sobre o interesse geral» enfraquece a partir da década de 1980, sob o efeito das transformações que então ocorrem no sector da comunicação: diminuição dos leitores, redução das receitas publicitárias, desenvolvimento do digital, concentrações industriais. À imagem icónica, veiculada pelo cinema, do indivíduo livre que exerce um contra-poder irá opor-se a morna realidade do operário multimédia condenado a fabricar «conteúdo» em função das palavras-chave que estão a dar nas redes sociais.

Serge Halimi e Pierre Rimbet em Le Monde diplomatique – edição portuguesa (nº 117 | II série | Julho de 2016)

caderno 16 IV

Posted in cadernos by Paulo S. on 23/08/2017

Posted in filosofia by Paulo S. on 17/08/2017

— É verdade, o tempo nunca sobra e, pior ainda, nunca é suficiente; e a culpa é nossa, porque o devoramos, roemo-lo com o contínuo acontecer dos acontecimentos que acontecem.

PIÑERA, Virgilio, O Grande Baro e outras histórias, Selecção e versões Rui Manuel Amaral, Guimarães, Livraria Snob, 2016, p. 53.

Posted in filosofia by Paulo S. on 03/08/2017

— Não é propriamente que não goste de música — explica ele. — A música de Mozart e de Beethoven encanta-me e arrebata-me. É por isso mesmo que não quero ouvi-la. Dissolve o pensamento.

— Eu não te encanto e arrebato?

— Mas não dissolves o pensamento.

— Se eu te dissolvesse o pensamento, já não me querias?

— Queria-te na mesma, mas estupidamente.

TELMO, António, Contos, Lisboa, Aríon Publicações, 1999, p. 45.