do Gr. photós + páthos

Posted in filosofia by Paulo S. on 15/09/2016

Deixar que o tempo passe é a tarefa menos complicada do mundo. Espanto-me como tantos se deixam amedrontar por ela.

Basta acordar dia após dia, cultivar pequenas rotinas, fazer-se pequeno e transparente. Não evitar cruzar-me com os outros. Ser delicado.

ANDRADE, Alexandre, Quartos Alugados, Leça da Palmeira, Editora Exclamação, 2015, pp. 158-159.

primeiro parágrafo VII

Posted in filosofia, livros emprestados by Paulo S. on 06/09/2016

Há sensivelmente dez anos eu tinha sensivelmente menos dez anos do que hoje tenho. Existe muita gente que, por múltiplas razões — quase sempre coerência, quase nunca imobilismo, que sei eu? –, não muda em dez anos. Eu, para já, mudei e mudei muito, até porque num simples decénio pode caber, por exemplo, a Guerra de Tróia, com todas as suas peripécias, ou a frequência do curso de Direito por parte de João de Deus ou de outros não menos ilustres portugueses e, no meu caso pessoal, com a modéstia inerente não só a tudo o que, no fundo, se me refere mas também a um destino obviamente individual, muitos acontecimentos se verificaram. Sempre aceitei as coisas como se me foram apresentando e, para mim, o meu passado está sempre certo, quanto mais não fosse modificá-lo, quando até as próprias coisas que, num dado momento, me acontecem, as aceito com portuguesa paciência, desde que não envolvam, nalguma medida, a minha responsabilidade como homem enquadrado num certo contexto social. [“Explicação que o autor houve por indispensável antepor a esta segunda edição”, Aquele Grande Rio Eufrates, 1972]

BELO, Ruy, Todos os Poemas (2000), 4ª edição, Lisboa, Assírio & Alvim, 2014, p. 15.

Os Balcãs, nova linha da frente entre a Rússia e o Ocidente (p. 28)

Posted in Le Monde diplomatique by Paulo S. on 30/08/2016

A visita de Vladimir Putin a Belgrado, a 16 de Outubro de 2014, devia ter sido uma oportunidade para celebrar a amizade entre a Sérvia e a Rússia. Para que o presidente russo fosse o convidado de honra da maior parada militar jamais organizada desde a morte do marechal Tito, fora até decidido antecipar alguns dias a data oficial das celebrações do 70.º Aniversário da Libertação de Belgrado, a 20 de Outubro de 1944. Infelizmente a jornada correu mal, porque a Sérvia recusou aceder ao pedido russo de conceder estatuto diplomático a todo o pessoal do Centro Humanitário de Nils. Em resposta, o presidente russo pôs de lado o pedido de Vucic de um pagamento de 200 milhões de euros de uma factura de gás. Seis semanas mais tarde, a 1 de Dezembro, a Rússia anunciava o abandono do projecto de gasoduto South Stream, que devia ter permitido abastecer a Europa com gás russo, contornando a Ucrânia.

Jean-Arnault Déréns e Laurent Geslin em Le Monde diplomatique – edição portuguesa (nº 105 | II série | Julho de 2015)

o que provoca o temor? IX

Posted in fotografia by Paulo S. on 19/08/2016

Universidade de Coimbra (22 de Maio de 2016)

Are you here de Matthew Weiner

Posted in diálogos by Paulo S. on 14/08/2016

(Ben Baker:) I really screwed up.
(Angela Baker:) It wasn’t in your control.
(Ben Baker:) Gauguin packed up as far from this crap hole as possible, and the world wasn’t even 1/10th as polluted as it is now.
(Angela Baker:) You feel like packing up?
(Ben Baker:) No, I don’t even feel that. I just feel like… it’s a pretty nice day, and I hate myself for being the guy that only has that to say.

versão XL

Posted in versões/covers by Paulo S. on 05/08/2016

Mercadorias, revoltem-se! (p. 3)

Posted in Le Monde diplomatique by Paulo S. on 31/07/2016

Destruídos os vínculos sociais, a confiança de que os direitos e contratos serão respeitados, comprometida a convicção de que o poder político faz escolhas para defender a comunidade, como podem cidadãos reduzidos a mercadorias revoltar-se?

Sandra Monteiro em Le Monde diplomatique – edição portuguesa (nº 104 | II série | Junho de 2015)

Posted in fotografia by Paulo S. on 27/07/2016

, Évora, 27 de Julho de 2014

Posted in revista by Paulo S. on 21/07/2016

Montra (da esquerda) da Livraria Fonte de Letras

Teógnis, fr. 153

Posted in filosofia by Paulo S. on 18/07/2016

O excesso gera a insolência, quando a riqueza chega
ao homem vil a quem falta rectidão de pensamento.

Poesia grega de Álcman a Teócrito, Trad. e org. Eduardo Lourenço, Lisboa, Livros Cotovia, 2006, p. 68.